Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Além de romper tradição, voto do Brasil contra Cuba se choca com defesa do livre comércio

07/11/2019 - 17:59
Bolsonaro Trump
O Brasil se juntou ao próprio Estados Unidos e a Israel para ser o terceiro voto contrário à resolução. (Imagem: REUTERS/Kevin Lamarque)

O voto do Brasil contra a resolução da ONU que condena o embargo a Cuba é mais um passo na virada ideológica que o governo de Jair Bolsonaro tem imprimido à diplomacia brasileira e rompe com a tradicional defesa brasileira do livre comércio, disseram à Reuters fontes diplomáticas que acompanharam o processo.

“Não é uma decisão que tem impacto imediato, mas não quer dizer que não seja grave. O Brasil está aceitando que a lei de um país possa incidir sobre o que ocorre fora de suas fronteiras. Isso é muito sério”, disse uma das fontes ouvidas pela Reuters.

Neste, como em anos anteriores, a resolução foi aprovada por quase duas centenas de países, dos mais diferentes espectros ideológicos. O Brasil se juntou ao próprio Estados Unidos e a Israel para ser o terceiro voto contrário à resolução.

Apesar de ser contra o embargo a Cuba, a resolução não é uma defesa da ilha em si, mas da liberdade de comércio. O texto defende que o embargo é contrário à liberdade de comércio e de navegação consagrada no direito internacional, uma posição que o Brasil, como os demais países, sempre defendeu.

O país sempre manteve relações comerciais com Cuba, intensificadas nos governos petistas. Atualmente, a ordem é evitar relações com a ilha, mas empresas brasileiras ainda têm interesses comerciais fortes lá.

A fabricante brasileira de cigarros Souza Cruz, por exemplo, que pertence à British American Tobacco PLC, tem uma joint-venture em Havana que produz a maioria dos cigarros em Cuba.

Ernesto Araújo
A posição do atual governo brasileiro é de alinhamento com o governo de Donald Trump, política defendida pelo presidente Jair Bolsonaro e encampada pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo (Imagem: Reuters/Adriano Machado)

“Se o governo dos Estados Unidos quer fazer um embargo unilateral, o problema é deles. O problema é quando eles usam a legislação interna contra agentes econômicos de terceiros países que comerciam com Cuba. Isso violaria nossa soberania ao punir nossas empresas pela legislação interna americana”, explicou uma segunda fonte.

A posição do atual governo brasileiro, no entanto, é de alinhamento com o governo de Donald Trump, política defendida pelo presidente Jair Bolsonaro e encampada pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, mesmo contra a tradição da diplomacia brasileira.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

“Embargo ao comércio é um instrumento que só tem legitimidade internacional se for aprovado pelo Conselho de Segurança da ONU. Nenhum país pode impor restrições ao comércio internacional unilateralmente”, disse a fonte. “Essa é a discussão.”

Nos últimos meses, o embaixador do Brasil na Organização das Nações Unidas, Mauro Vieira, vinha tentando convencer Araújo de que o Brasil poderia manter sua posição histórica e apenas destacar, em uma fala, que esse não era um apoio a Cuba, mas uma defesa do livre comércio, mas a instrução permaneceu a mesma.

Até a véspera da votação, Vieira ainda tentou convencer o governo a pelo menos trocar o voto contrário por uma abstenção que, mandaria um recado mas não seria tão grave a ponto de isolar o país apenas na companhia de norte-americanos e israelenses. Não teve sucesso.

Incomodado, o embaixador preferiu não representar o Brasil na votação. Enviou seu adjunto. Vieira está de saída da representação brasileira e foi mandado para Zagreb (Croácia), um posto desprestigiado na diplomacia brasileira.

Ex-chanceler durante o governo de Dilma Rousseff, Vieira entrou automaticamente na lista de desafetos do governo Bolsonaro, apesar de ter dado emprego a Araújo na embaixada em Washington, quando foi embaixador nos Estados Unidos, e tê-lo trazido para um cargo no gabinete quando assumiu o cargo de ministro.

Última atualização por Renan Dantas - 07/11/2019 - 17:59