Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ações da Triunfo recuam mais de 3% com decisão mantendo fechamento de pedágio

Investing.com Brasil - 06/03/2019 - 15:57

Triunfo

Por Investing.com – As ações da Triunfo Participações e Investimentos (TPIS3) operam em queda de 3,16% na parte da tarde desta quarta-feira na bolsa paulista. Na noite de domingo, a companhia divulgou fato relevante que a 1ª vara Federal de Jacarezinho determinou que a Econorte (controlada pela TPI) não retome a cobrança de tarifa na praça de pedágio de Jacarezinho, atendendo ao Pedido Incidental de Tutela Inibitória proposto pelo Ministério Público Federal.

Acompanhe o Money Times no Instagram!

Apenas para investidores: melhores small caps reveladas

Ainda de acordo com a companhia, a redução das tarifas em 26,75% nas demais praças da Econorte permanece suspensa, conforme publicado em 1º de março pela TPI. Dessa forma, às 0h do dia 2 de março, a Econorte voltou a cobrar os valores vigentes antes da Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público Federal.

Na tarde de sexta-feira (1º) o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, deferiu o pedido para sustar os efeitos de liminar que impedia a concessionária Econorte de cobrar pedágio na praça de Jacarezinho (PR) e de prestar serviços nas rodovias BR-153 e PR-090.

Concedida pela Justiça Federal em Curitiba nos autos de uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), a liminar havia determinado, além da desinstalação do pedágio de Jacarezinho, a imediata redução da tarifa nas outras praças de arrecadação da Econorte em 26,75%, e a retomada do cronograma original de obras da concessão. As decisões foram mantidas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), após recurso da concessionária.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

No curso da Operação Integração, o MPF moveu ação civil pública sustentando, entre outras coisas, que a Econorte e suas afiliadas teriam efetuado pagamentos para obter modificações irregulares no contrato de concessão de exploração rodoviária, o qual teria sido aditado diversas vezes pelo poder público de forma indevida.

Última atualização por Vitória Fernandes - 06/03/2019 - 16:00