Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

A Oi está pronta para ser vendida e a Tim é a parceira ideal

Gustavo Kahil - 11/09/2019 - 22:57
“A Oi é um ativo estratégico para os investidores que desejam entrar ou expandir a sua presença no mercado brasileiro”, explica o BTG

A aprovação da Lei das Teles na noite desta quarta-feira (11) moderniza o ambiente regulatório do setor e abre espaço para a recuperação da Oi (OIBR3; OIBR4), o que a deixa pronta e arrumada para uma venda ou fusão.

“A Oi é um ativo estratégico para os investidores que desejam entrar ou expandir a sua presença no mercado brasileiro de telecomunicações”, argumenta o BTG Pactual em um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira (11) após a decisão do Senado.

Os analistas Carlos Sequeira, Bernardo Teixeira e Osni Carfi opinam que, devido as suas “ultra-sinérgicas” redes e serviços, uma fusão entre a Oi e a Tim (TIMP3) tem sido especulada há muito tempo.

“Agora, com a reestruturação quase terminando e a nova lei de telecomunicações aprovada, as negociações de fusões e aquisições podem ganhar força novamente. Estimamos enormes sinergias com essa fusão, principalmente na forma de menor necessidade de investimentos operacionais”, explicam.

Para a TIM, aponta o BTG, o tamanho e o alcance da infraestrutura fixa exclusiva da Oi seria enorme. “Logo de cara, ela se beneficiaria de uma redução maciça nas despesas de linhas alugadas”, estimam.

TIM Participações
A Tim é a que mais se beneficiaria de uma fusão com a Oi (Imagem: Renan Dantas/Equipe Money Times)

E quanto vale?

O BTG calcula que, se o múltiplo justo da Oi for considerado a 5,5 vezes o valor da empresa sobre o Ebitda, medida de geração operacional de caixa, e assumindo a estimativa do banco de Ebitda em R$ 5,5 bilhões, o valor da empresa vai a R$ 30 bilhões.

O patrimônio seria de R$ 12 bilhões (R$ 2 por ação), com uma dívida líquida de R$ 18 bilhões. Isso resultaria em um valor patrimonial de R$ 17,7 bilhões ou R$ 3 por ação.

Já com um Ebitda de R$ 6 bilhões e um múltiplo de 5,5 vezes, o valor da empresa seria de R$ 33 bilhões e o patrimônio de R $ 15 bilhões (ou R$ 2,50 por ação). Usando a dívida líquida reportada da empresa, essas premissas indicariam um patrimônio por ação de R $ 3,40, explicam os analistas.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

Última atualização por Gustavo Kahil - 11/09/2019 - 23:04